Transformação Ágil/Digital: Top Down ou Bottom Up?

Picture of Thiago Brant

Thiago Brant

um grupo de pessoas com rostos de cores diferentes

Hoje já acordei com um post do Management 3.0 sobre Transformação e se ela funciona de forma Top Down ou Bottom Up, e imediatamente me identifiquei com o assunto, porque constantemente estou envolto nesse tema e já pude experimentar muitas situações onde houve esse questionamento, principalmente quando falamos de Transformação Ágil e Transformação Digital (que aliás, me questiono: existe uma ou outra? Dá pra haver uma transformação ágil sem digitalizar, ou uma transformação digital sem agilizar?).

Então vamos lá:

  • Top Down: a alta gestão decide: vamos nos tornar mais ágeis. E aí vem a ordem de cima para baixo: agilizem! E daí pra frente fica a sensação de “lá vem a diretoria com mais uma ideia pra aumentar nosso trabalho” e a coisa não vai muito longe.
  • Bottom Up: os times chegam a conclusão: precisamos ser mais ágeis. Aí começam um movimento que logo vai tomando escala até que atinge a média/alta gestão, e então parece que o movimento é estancado.

E aí que vem o link com o post de hoje:

  • Somente Top Down: não funciona
  • Somente Bottom Up: não funciona
um grupo de pessoas com rostos diferentes
  • Todos precisam ser envolvidos!

E apesar de parecer radical (não funciona!!), a minha experiência tem mostrado que é assim mesmo: não funciona!! Nos modelos top down ou bottom up acontecem melhorias, coisas mudam, o pessoal percebe isso, mas inevitavelmente empaca em algum ponto, não vai além, estaciona. E o pior, a frustração de não poder ir além acaba se tornando pior do que nem ter iniciado.

E o que fazer? Segundo o Management 3.0: todos precisam ser envolvidos! E na minha opinião baseada na minha experiência: deve haver uma estratégia Top Down aliada a uma estratégia Bottom Up, envolvendo todos de ponta a ponta.

A alta gestão tem que comprar a ideia e ser preparada, o chão de fábrica precisa comprar a ideia e ser preparado. Nenhuma média gestão vai resistir a um movimento vindo de cima aliado ao calor vindo de baixo, e dessa forma todos os níveis acabam entrando efetivamente na transformação.

De todas as transformações ágeis de que participei, o ponto comum entre as mais bem sucedidas é que o movimento tenha seguido os dois caminhos. Tanto a alta gestão quanto o operacional compraram e, principalmente, entenderam a ideia, e colocaram para funcionar.

Recadinho final: Os workshops de Management 3.0 cobrem na teoria e na prática a gestão ágil, e tem grande relação com o assunto desse artigo.

Veja um pouco do conteúdo abordado:

O que é Gestão Ágil de Projetos | Management 3 0

Cookies

Utilizamos cookies para personalizar o seu conteúdo e melhorar sua experiência com a Agilers. 

Saiba mais sobre os cookies em nossa Política de Cookies